Imprès des de Indymedia Barcelona : http://barcelona.indymedia.org/
Independent Media Center
Notícies :: ecologia
Un informe autonómico delata graves conseqüéncias do Prestige
30 oct 2004
GALIZALIVRE.ORG

NOVAS DA GALIZA

CGRL APONTA UM âGRAVE DESTROÃOâ? NA ECONOMIA E EFEITOS âA LONGO PRAZOâ?

30/10/04
Com frequência o portal galizalivre.org ve-se no contradiçom insuperável a curto prazo de empregar análises e estatísticas oficiais para argumentar teses que se encontram nos antípodes das defendidas polos organismos autores das mesmas. Contodo, também é verdade que, em múltiplas ocasions, a estatística oficial achega sostém científico a teses muitas vezes mantidas em solitário desde sectores muito minorizados da opiniom pública.


A respeito da maré negra desencadeiada em Novembro de 2002, acontece um facto destas características. Segundo o informe anual apresentado onte polo organismo autonómico Consellho Galego de Relaçons Laborais, a apariência de normalidade e ausência de efeitos ambientais e sócio-económicos derivada da catástrofe nacional de 2002 é apenas umha construçom mediática, produto do absoluto controlo informativo que exerce o Partido Popular na Galiza e da convergência de interesses existente em silenciar as consequências reais do Prestige.


Afirma o organismo consultivo da administraçom autonómica que a injecçom maciça de dinheiro público após a crise está âemascarando temporalmenteâ? um impacto sobre a economia nacional que o CGRL qualifica de âmuito graveâ?.



Contradizendo o discurso dominante sobre a matéria, o Conselho assegura aliás que a maré negra terá consequências económicas âmuito graves e duradoirasâ? sobre os recursos biológicos da Galiza. O órgao institucional advirte que os efeitos do Prestige notarám-se âa longo prazoâ?, já que as consequências ambientais se farám patentes dàquela com a reduçom dos recursos pesqueiros e marisqueiros e a perda de efeito das ajudas públicas que a dia de hoje recebem os afectados. âPam para hoje e fome para amanháâ?, resume graficamente o citado organismo.
A tese central do CGRL vem reforçar as declaraçons realizadas o passado dia 22 polo francês Michel Girin, director do Centro Francês para o Estudo da Contaminaçom das Ã?guas (Cedre). Considerado umha autoridade a nível europeu em segurança marítima, Girin afirmava a passada sexta-feira em Corunha que âas consequências da maré negra nom se conhecerám até 2008â?.


EMASCARAMENTO DA REALIDADE SÃCIO-ECONÃMICA


Em aparente contradiçom os interesses que defende o CGRL, este declara que a economia nacional teria crecido em 2004 por cima da do conjunto do Estado (2.68 pontos frente a 2.46), mas este dado explicaria-se polo importe de transferências públicas à CAG e o apoio internacional após o início da catástrofe.


Assinala como exemplo o órgao consultivo âo oferecimento marroquino de permitir o acesso de buques às suas águas jurisdicionaisâ? e o aumento temporal do emprego derivado dos labores de limpeza do litoral. Estes e outros factores estariam a provocar que, quando menos dum modo transitório, à administraçom autonómica lhe quadrem as contas e a realidade nom se veja refletida nos balanços económicos.



Aprofundando nesta visom, o CGRL sentença que este conjunto de factores extraordinários âemascara um grave destroço na economia galegaâ?. Os dados achegados ao respeito som mais do que eloquentes: durante o primeiro semestre de 2004, o sector agropesqueiro tem registado âum forte descensoâ? da produçom estimado em quase um 6%. Para o organismo autonómico este é um sintoma de âuns efeitos económicos e ambientais muito mais importantesâ?. As protestas de pescadores e mariscadoras em distintas comarcas litorais, motivadas polo descenso das capturas, apontariam nesta mesma direcçom.


Aliás, os informes de outra entidade nada suspeita de fomentar o alarmismo por volta da catástrofe vivida polo país apartir de Novembro de 2002 incidem na mesma linha. Segundo a conselharia de Pesca, a queda da produçom no sector pesqueiro a finais de 2003 cifra-se em 15% a um ano da maré negra. Menos condicionadas pola necessidade de justificar a sua gestom, as confrarias galegas alargam esta percentagem até ao 33% e estipulam as perdas em 72 milhons.


O informe do CGRL mostra-se cauto e nom aponta cifras concretas, limitando-se a anotar que as consequências mais negativas todavia estám por vir. No entanto, o organismo nom duvida em prognosticar o descenso das rendas na CAG a causa do âgrave destroçoâ? produzido na riqueza nacional polo Prestige.


RETROCESSO DEMOGRÃ?FICO DISTORCIONA NÃ?VEIS DE RENDA

Durante 2003, segundo o informe anual, o Produto Interior Bruto da CAG crescia duas décimas por cima da média estatal. Devido a isto, Galiza acurtaria em 2.5 pontos percentuais a sua distáncia com a média de renda estatal. Contodo, assegura o CGRL que a convergência nom se deve a umha positiva evoluçom económica, seguindo os critérios ao uso, mas à perda de populaçom.


Assim, com menos habitantes e mantendo idêntica geraçom de riqueza o reparto de renda tocaria a mais por habitante. Apesar destes dados, o nosso país continua nos últimos postos do ranking de renda por habitante no Estado espanhol com 84% da renda dum espanhol.

This work is in the public domain
Sindicat Terrassa