Imprès des de Indymedia Barcelona : http://barcelona.indymedia.org/
Independent Media Center
Notícies :: globalització neoliberal : amèrica llatina
ZAPPA 10 ANOS - ZAPPA 100 ANOS
29 nov 2003
ZAPPA 10 ANOS - ZAPPA 100 ANOS
ZAPPA 10 ANOS - ZAPPA 100 ANOS

Zappa morreu há dez anos.
Para chamar a atenção para este facto divulgamos o nosso texto
âZappa ou a Função Social da Músicaâ? escrito em 1990 e que se encontra no site http://www.franciscotrindade.com

ZAPPA 10 ANOS - ZAPPA 100 ANOS
ZAPPA SEMPRE!


ZAPPA OU A FUNÃÃO SOCIAL DA MÃSICA.

"Que farás
Se te deixarmos ir para casa
E o plástico estiver todo derretido
E o Cromo também...
Quem são os polícias do cérebro?
Que farás
Quando o rótulo se desprender
E o plástico estiver todo derretido
E demasiado mole o cromo...
Quem são os polícias do cérebro?
Que farás
Se as pessoas que conhecias
Forem o plástico derretido
E o cromo também?
Quem são os polícias do cérebro?

Frank Zappa "Freak Out", 1966

    Se há algum músico e compositor que poderemos chamar de incómodo, pela sua música e fundamentalmente pelas letras das suas canções, esse é, sem dúvida, Frank Zappa. Fundador do grupo norte-americano Mothers of Invention, desde 1964 que Zappa tem massacrado o sistema burguês capitalista, liberal norte-americano, aquilo que é comumente conhecido por american way of life, através de dois tópicos que sistematicamente encontramos nas suas letras: a crítica social e o sexo. à o aspecto da crítica social que nos interessa aqui sublinhar, embora o outro não seja se somenos importância.
    Basicamente até 1968 as letras das canções eram simples, claras e evidentes (como diria Descartes) que qualquer pessoa as poderia entender. No entanto, a partir dessa altura modifica-se a música e também a mensagem dos textos. Zappa quer que o ouvinte de capacidades medianas consiga apanhar alguma coisa, pois ele acredita numa função utilitária e interveniente da sua música.
    à o caso por exemplo do seguinte texto, extraído da obra Joe's Garage act.II de 1979: "Afinal foi descoberto/ que Deus/ Não queria que nós fossemos/ Todos iguais/ Estas foram/ Más notícias/ Para os governos do Mundo/ Que pareciam em oposição/ à doutrina da/ Servidão separada e Controlada/ A Humanidade deveria ser feita mais Uniformemente/ Se/ o futuro/ Funcionasse/ Vários caminhos foram procurados/ Para que ficássemos todos ao mesmo nível/ Mas, infelizmente/ A Igualdade não foi conseguida/ Foi por esta altura/ Que alguém/ Veio com a ideia da/ Criminalização Total.
    Baseada no princípio de que/ Se todos nós éramos delinquentes/ Poderíamos finalmente ficar iguais/ Até um certo grau/ Aos olhos da Lei/ Os nossos legisladores calcularam sagazmente/ Que a maioria das pessoas era/ Demasiado preguiçosa para praticar/ Um verdadeiro crime/ Por isso, novas leis foram feitas/ Para tornar possível a qualquer um/ Violá-las a qualquer hora do dia ou da noite/ E/ Uma vez desrespeitadas todas as leis/ Nós seríamos todos do mesmo grande e feliz clube/ Ali mesmo, junto ao Presidente/ Os mais glorificados industriais/ E as grandes cabeças do clero/ De todas as nossas religiões preferidas/
    Criminalização Total/ Foi o maior ideal do seu tempo/ E foi grandemente popular/ Excepto para aquelas pessoas/ Que não quiseram ser delinquentes ou criminosas,/ Por isso, naturalmente tinham de ser/ Todos levados a isso por truques.../ O que é uma das razões pela qual/ A Música/ foi finalmente declarada/ Ilegal.
    Os Mothers of Invention sempre foram um grupo crítico consciente da realidade. Opõem-se ao sistema instituído na medida em que as suas canções não tentam convencer o auditório da inexistência dos problemas.
    Zappa considera que o seu trabalho contribui para um melhor esclarecimento político das pessoas. Pensa que o ideal será poder contar com um público consciente, social e politicamente, isto é, um público comprometido que sinta o que há a fazer. à aliás exactamente isso que Zappa diz numa entrevista dada em 1968 em Hollywood: "Queremos contribuir para um maior esclarecimento político das pessoas. A maior parte dos jovens norte-americanos não pensa em termos de política. Advém daí que dispõe de muito tempo livre e tenta passá-lo da melhor forma possível. Por isso, creio que seria um grande passo obrigá-los a raciocinar."


Procurar pelo link Arte e Literatura
Segue-se excerto do texto que pode ser lido na íntegra em http://www.franciscotrindade.com.
Responsável técnico máximo, como de costume
José Carlos Fortuna.

Saudações proudhonianas
Até breve
Francisco Trindade
Sindicat